As Essências Perdidas

Tinha guardado consigo uma pequena amostra com a essência dos amores outrora vividos. Todos devidamente identificados. Certo dia a solidão apertou-lhe, e a nostalgia lhe acorreu aos odores e as dores, então ele abriu os frascos, um por um, e cheirou desesperadamente, mas nada sentiu. Um suor pegajoso de poeira lhe bateu no coração. E as cinzas dos amores mortos atingiram-lhe a emoção. Inebriado despencou ao chão. Ele houvera perdido todo seu arrebatamento afetivo. O frio possuiu-se de seus ossos. Imóvel ficou. A espera dos últimos trovões.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s